Guia definitivo para o Primal Blueprint – parte 2

por Mark Sisson

4. Dê alguns piques de vem em quando

Rhino ChargingEm um mundo onde o perigo espreitava a cada esquina, sua capacidade de correr era um bom indicador da probabilidade de você viver o suficiente para passar seus genes para frente (Nota para Nietzche: o que não matou Grok o fez mais forte). Evitar um animal que te ataca para salvar sua vida ou correr atrás de outro para caçá-lo para o jantar, no final o resultado era a sobrevivência. Uma combinação de eventos hormonais que ocorriam simultaneamente e a expressão genética resultante asseguravam ao Grok maior velocidade na próxima vez.

5. Durma bastante

MoonNossos ancestrais dormiam bastante. Mesmo depois da descoberta do fogo, eles não ficavam acordados a noite farreando. Do nascer ao pôr do sol, era mais seguro se reunir em grupo e descansar. Longos períodos de caçadas e coletas e trabalhar duro para conseguir cada pedacinho de comida precisava de tempo suficiente para recuperação. Estudos sobre caçadores-coletores modernos sugerem que não eram sempre nove ou dez horas ininterruptas de sono. É provável que eles dormiam juntos, como uma família ou pequena tribo, mantendo-se alertas para predadores, dando de mamar aos bebês ou caindo no sono de tempos em tempos ao longo da noite.
Hormônio do crescimento e melatonina eram os principais hormônios. É claro que havia a soneca no meio da tarde quando tinham vontade, sem culpa sobre o que eles deveriam estar fazendo.

6. Brinque

Assim como em tempos modernos, trabalhar apenas e nunca brincar faria com que Grok fosse um menino chato. Caçadores-coletores geralmente trabalhavam menos horas e tinham mais lazer do que o americano médio que trabalha 40 horas por semana. Quando a caça ou coleta de raízes, brotos, castanhas ou berries terminavam, nossos ancestrais se engajavam em várias formas de interação social que hoje chamaríamos de “brincar”. Homens jovens brincavam de “pega-pega” e luta, de olho em um lugar mais alto na pirâmide social. Os homens também praticavam lançamento de rochas ou lanças para melhorar sua pontaria ou perseguiam animais pequenos por diversão. As mulheres jovens talvez passassem o tempo enfeitando umas às outras. No sentido de que brincar era considerado prazeroso, o resultado era a solidificação dos laços sociais e também da liberação de endorfinas (substâncias químicas do cérebro que te fazem sentir bem) e mitigação do stress decorrente de situações de risco de morte ao longo do dia.

7. Tome sol todos os dias

Sun
Homens das cavernas não viviam nas cavernas o tempo todo. Na maior parte do tempo, eles estavam ao ar livre fazendo suas tarefas. Exposição regular ao sol gerava um monte de vitamina D, uma vitamina muito importante que eles não conseguiam obter facilmente dos alimentos e que seus corpos não poderiam produzir sem os raios solares.

8. Evite traumatismos

CrocNossos ancestrais necessitavam de um senso agudo de auto preservação assim como de observação. Estavam sempre monitorando, cheirando, ouvindo os arredores, na espera pelo perigo iminente e preparado para o que precisasse ser feito rapidamente: fugir de um tigre, desviar de uma rocha, evitar uma cobra venenosa ou um passo descuidado. Lembre-se que torcer o joelho ou quebrar o tornozelo poderia significar a morte para quem não conseguisse correr das ameaças. Na verdade, traumatismos provavelmente eram a principal causa para a expectativa de vida tão baixa de nossos ancestrais, apesar de sua boa saúde nos outros aspectos.
Conseguir evitar traumatismos significava boas chances de chegar até os 60 ou 70 com muita saúde e boa forma. Os caçadores-coletores mantém sua força e saúde até o fim de suas longas vidas.

9. Evite coisas venenosas

Poisonous BerriesA habilidade humana de explorar cada canto da Terra se deve parcialmente à sua capacidade de consumir plantas e animais diferentes. Mas, um novo ambiente e novos alimentos era uma ameaça pois estes últimos podiam conter toxinas potentes. Afortunadamente, nossos rins e fígado evoluíram para lidar com arbustos levemente venenosos – pelo menos nos manter vivos se o estômago não conseguisse regurgita-los antes. Nosso afiado senso de odores e gostos também nos ajudou a distinguir o bom do ruim. A razão para termos um gosto doce atualmente (droga!) derivou provavelmente do fato de que alimentos doces normalmente são seguros de se comer.

10. Mantenha a mente ativa

Cave PaintingObviamente, uma das principais coisas que nos separa dos outros animais é nossa capacidade intelectual. O crescimento rápido de nosso cérebro através de alguns milhares de gerações é resultado da combinação de uma dieta rica em gorduras e proteínas (veja a regra #1) e de pensamentos mais complexos, trabalhando o cérebro assim como fazemos com nossos músculos. Caçadores-coletores de todas as partes desenvolveram a linguagem, ferramentas e métodos de caça superiores independentemente uns dos outros. O fato de alguns não terem adentrado a era industrial não significa que eles não tinham a mesma habilidade de processar informação rápida e eficientemente (tente viver na floresta, “catalogando” milhares de plantas e animais, identificando quais podem te matar ou fornecer seu sustento!).

É isso!

Este é a lista completa – ainda que por cima – de comportamentos que formataram nosso genoma atual (OK, eu deixei de fora a parte referente ao sexo porque nem precisa dizer. Por outro lado, fazer sexo é sim uma parte natural do Primal Blueprint, que vai ser coberta em um post futuro). Se você tem alguma dúvida que devemos “copiar” nossos comportamentos ancestrais (claro, num contexto do mundo moderno), pelo menos concordamos que estamos tentando atingir os mesmos objetivos. Seguramente, todos queremos ser:
  • Saudáveis: Idealmente, nunca queremos estar doentes. Queremos ter a saúde perfeita o tempo todo.
  • Cheios de energia: Queremos ter um monte de energia para nos divertir com as coisas que a vida tem a oferecer e não apenas sentir que estamos nos arrastando.
  • Felizes: Ninguém quer ser depressivo ou miserável. Não é um jeito decente de se viver a vida. Queremos uma razão para levantar da cama pela manhã e encarar todos os desafios e oportunidades que aparecem.
  • Esbeltos: Queremos estar em um estado metabólico no qual queimamos o excesso de gordura estocada, no qual encontramos o ponto em que temos gordura o suficiente para sermos saudáveis sem estoca-la nos depósitos do corpo.
  • Fortes: Sejamos francos: queremos músculos não apenas por estética mas também para nos auxiliar nos movimentos, brincadeiras e para mantermos o equilíbrio. Isso significa ter força de maneira equilibrada com músculos proporcionais.
  • Espertos: Queremos acesso total às nossas faculdades mentais, ser espertos e alertas, criativos, focados quando necessário, capazes de recordar das boas memórias.
  • Produtivos: Queremos seguramente nos sentir contribuindo para nós mesmos, família e sociedade.

Sabemos, através da biologia evolutiva, que nossos ancestrais tinham estes traços saudáveis (vou detalhar isso depois). Talvez estes fossem ou não seus objetivos, mas estes atributos certamente permitiam a sobrevivência aos rigores do ambiente e a passagem adiantes de suas características para a geração seguinte e, finalmente, para nós.

Tendo entendido que tudo que fazemos, comer, pensar e respirar, pode afetar nossos genes de 10 mil anos, como esse Primal Blueprint Original se compara com o que podemos fazer atualmente para conseguir boa saúde, corpo esbelto, sistema imunológico resistente, energia sem limite e aumento de produtividade – todos os objetivos que estamos atrás? Ironicamente, é quase igual!
(continua…)
Print Friendly, PDF & Email

3 comentários em “Guia definitivo para o Primal Blueprint – parte 2

  • 18 de setembro de 2015 em 9:28 AM
    Permalink

    Fantástico artigo, parabéns!
    Já estou ansiosa pela terceira parte!

    Resposta
  • 4 de fevereiro de 2016 em 6:17 AM
    Permalink

    Gentileza me incluir na newletter.

    Resposta
  • 29 de junho de 2016 em 7:49 PM
    Permalink

    Não achei a primeira parte… Onde está?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *