Pode ou não pode?

No consultório e principalmente nas perguntinhas rápidas de redes sociais, sem dúvida o “Pode isso? Pode aquilo?” é o tipo de questionamento mais frequente.

comer-nao-comerPode comer fruta se o objetivo é emagrecer?
Pode leite de vaca?
Pode comer bacon todos os dias?

Na maioria das vezes a resposta para todas as perguntas é “DEPENDE”. Depende do quê? Depende de quais são os seus fatores de risco, da sua história de vida, das suas doenças diagnosticadas, do seu histórico familiar/herança genética, da sua rotina de vida, dos seus objetivos, do seu nível de atividade física, de como está o seu hábito alimentar atual, dos sintomas gerados ao consumir determinado alimento, dos seus gostos…

São tantos fatores que influenciam a prescrição de uma “dieta” que resumir a escolha dos alimentos a uma lista pré-moldada de “isso pode” e “isso não pode” seria, no mínimo, imprudente.

E se a resposta às perguntas geralmente é “depende”, isso significa que não existe uma regra universal rígida a ser seguida por todas as pessoas para se alcançar determinado objetivo ou para se ter saúde.

O que existe na nutrição, e em qualquer área da saúde, são fatos/verdades científicas momentâneas e mutáveis, que, obviamente, devem ser levadas em consideração quando visamos alcançar um objetivo específico. Vamos a um exemplo: “Goma de tapioca é um alimento que contém uma alta quantidade de carboidratos de alto índice glicêmico. O consumo de alimentos ricos em carboidratos de alto índice glicêmico está relacionado ao aumento da gordura corporal. ”

tapioca_carne_seca_salgada_deliciosa_not1O parágrafo acima faz sentido. A ciência nos mostrou isso. Então isso significa que se eu comer tapioca eu irei engordar? “PODE OU NÃO PODE TAPIOCA SE O MEU OBJETIVO É EMAGRECER?” Como sempre a resposta é: DEPENDE.

– Qual a frequência que você ingere tapioca? 1 vez por semana? Todos os dias?
– Qual o tamanho da sua tapioca (quantas colheres de sopa da goma)?
– Em que momento do dia você ingere a tapioca? (Por exemplo, é pós-treino?)
– e, principalmente: Quem é você? (aqui me refiro a todas aquelas características individuais que listei no segundo parágrafo).

O fato isolado de que a tapioca, por suas características, propicia o aumento do tecido gordo não necessariamente fará toda e qualquer pessoa ficar mais gordinha após incluí-la na sua alimentação. Mas, por ser uma evidência científica, via de regra, devemos limitar o consumo desse alimento quando o objetivo for reduzir o percentual de gordura corporal.

Temos que ter em mente que as evidências científicas servem para nos NORTEAR, apontar o caminho. Os estudos nos mostram o que funcionou melhor para a maioria das pessoas ali envolvidas e que, consequentemente, poderia ser transposto para a maioria da população em geral. Mas notem que “a maioria” não é todo mundo, por isso devemos respeitar as nossas individualidades e ouvir o que o nosso corpo tem a dizer sobre aquilo que estamos colocando para dentro – pois, às vezes podemos fazer parte do grupo correspondente à minoria.

neurosePara mim, a alimentação é algo que deve ser encarado com LEVEZA. Afinal, sentamos à mesa para nos alimentar todo santo dia! Como seremos felizes se esses momentos forem cheios de tensão/medos/angústias gerados pela insegurança de talvez estar descumprindo a lista imaginária do “isso pode/isso não pode”? Temos que lembrar que saúde é um estado COMPLETO DE BEM-ESTAR. De nada adianta um corpo magro preso a uma cabeça pesada/neurótica.

Procure deixar de lado essa ditadura do “pode isso, não pode aquilo”. Coma na maior parte do seu tempo comida de verdade, coma SEMPRE com moderação. Procure compreender o que você precisa consumir com maior ou menor frequência para chegar ao seu objetivo, sem esquecer que tudo aquilo que consumimos na menor parcela possível do nosso tempo nunca será tão devastador a ponto de nos impedir de sermos saudáveis.

O nosso corpo e saúde são resultado da nossa ROTINA, e não das nossas exceções (desde que sejam realmente exceções, né?). E se você ainda quiser saber o que você PODE, posso lhe afirmar com toda a convicção apenas uma coisa: você PODE (e DEVE) ser muito feliz.

nutri_paula_mello2Paula Mello – CRN3 43939
Nutricionista Clínica e Esportiva
Telefone para consultas: (11)98204-7706
Instagram: @nutripaulaazmello

 

Print Friendly, PDF & Email

11 comentários em “Pode ou não pode?

  • 28 de setembro de 2015 em 5:09 PM
    Permalink

    Legal, Paula, é isso mesmo!

    Resposta
  • 6 de outubro de 2015 em 2:29 PM
    Permalink

    Excelente Ana Paula.
    As neuroses do ” pode” ” não pode” p mim, nunca funcionou. Acabam me tirando do foco não conseguindo dar sequência…

    Resposta
  • 7 de outubro de 2015 em 3:02 PM
    Permalink

    Concordo plenamente, boas palavras, faz todo o sentido. Show!!!

    Resposta
  • Pingback: Artigos interessantes sobre a dieta paleo - Primal Brasil

  • 4 de novembro de 2015 em 9:45 AM
    Permalink

    A minha regra é “quanto menos industrializado ou processado, melhor”.
    Simples assim!

    Resposta
  • Pingback: Jaquei! E agora, como fica a dieta? - Comida de Verdade

  • 1 de junho de 2016 em 6:49 PM
    Permalink

    doutora paula como faço para adpitar a minha alimentação lowcarb pois o meu colesterol subil,m muito estou na nova alimentação a 3 meses perdi 11 kilos porem sou tranplantada renal a 8 nanos quero um estilo de vida melhor e umas dicas ,ja agradeço

    Resposta
  • 9 de novembro de 2016 em 3:21 PM
    Permalink

    Boa tarde Dra. Paula;
    Estou tentando fazer nata em casa, pois não moro em cidade em que se encontra nos supermercados.
    Fervi o leite de saquinho, não UHT, até secar e guardei a gordura. Ficou ótimo. Porém achei que ficou meio doce, estou me perguntando se esta minha nata não estaria cheia de carbos.
    Então, quando fervemos o leite até a secagem a caseína e a lactose não são destruídas?
    Obrigado

    Resposta
  • 19 de novembro de 2016 em 7:53 AM
    Permalink

    Oi, Paula, gosto muito dos seus posts… e o que funciona bem pra mim é o BOM SENSO, aquele velho amigo… procuro EVITAR diariamente certos alimentos, como por exemplo, farinha de trigo (que tem gluten, oxidantes,…), mas não quer dizer que se estou numa festa vou ficar de mimimi…

    Resposta
  • 12 de abril de 2017 em 1:14 PM
    Permalink

    O que eu fico indignada com todos os amantes dá low carb, é dizer que derivados do leite ( manteiga, creme de leite e queijos) são saudáveis. Vocês sabem como é o leite hoje? As vacas recebem doses altíssimas de hormônios e antibióticos para produzirem uma quantidade absurda de leite, são vacas doentes, a expectativa de vida delas é muito menor do que uma vaca de pasto.
    O mesmo raciocínio vale para carne de frango e ovos.
    Outro absurdo é incentivar o consumo de presuntos e demais embutidos e carnes processadas, cheias de nitratos com altíssimo potencial cancerígeno.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *