Por que e quando carne “grass-fed” é melhor

Por Mark Sisson. Para ler o original em inglês clique aqui

O que é melhor? Alimentação com carne de rebanhos criados com capim natural (grass-fed) em pasto aberto ou com grãos e leite (processados) confinados?

Você já deve ter lido ou ouvido a esse respeito e se convencido da melhor qualidade que têm as carnes oriundas de rebanhos que se alimentam de capim natural (grass-fed) quando comparadas com as de rebanhos que se alimentam de comida processada (grãos e leite, “turbinados”, por exemplo).

Do ponto de vista nutritivo, a carne grass-fed ganha em todos os sentidos.

Olhando pela ética da criação animal, sabe-se que animais criados em pastos abertos vivem melhor que os criados em espaços confinados.

Considerando o uso crescente de antibióticos na agricultura e o consequente aumento de bactérias resistentes a antibióticos, é notório que os rebanhos alimentados com capim natural recebem menos ou nada desse tipo de medicação.

Até um vegano vai admitir que um rebanho que se alimenta de várias gramíneas tende a ser mais saudável, feliz e a produzir carne, leite e gordura mais ricos em nutrientes. É objetivamente melhor e ponto.

Só que, consumir carnes provenientes desses rebanhos não é barato. Tenho o luxo de consumir este tipo de carne, mas nem todo mundo consegue. A maioria das pessoas tem que escolher suas “batalhas”.

Este post vai ajudar nessa escolha.

Veja quando faz sentido comprar carne “grass-fed”.

Quando você compra carne com alto teor de gordura

A principal diferença entre as duas está na gordura. A grass-fed:

  • É mais rica em omega-3. A diferença não é muito grande, mas, se você come muita gordura, passa a ser significativa.
  • É mais rica em CLA (conjugated linoleic acid), uma gordura trans natural formada em ruminantes como vacas e cordeiros. O CLA tem propriedades anti-cancerígenas e anti-inflamatórias.
  • É mais rica em acido esteárico. Se os lipídios em seu sangue são sensíveis a gorduras saturadas, até os pesquisadores convencionais admitem que o ácido esteárico (que se transforma em ácido oleico “in vivo”) é neutro ou benéfico com relação a isso.
  • É mais rica em vitaminas A, E e glutationa.
  • É mais rica em antioxidantes que a tornam mais resistente aos efeitos danosos da sua oxidação durante o procedimento de cozimento. Rebanhos grass-fed alimentam-se de grama fresca, forragem selvagem e ervas. Consequentemente, produzirão carnes mais ricas em antioxidantes do que os rebanhos criados confinados.

Quando você compra bacon

Ainda que cultuado o outrora proibido bacon não deve ser consumido em excesso.

O meu jeito preferido de comer bacon é como componente auxiliar para incrementar receitas que pretendam atrair as pessoas pelo defumado e sabor característicos.

Considerando que se trata de um condimento na receita, obviamente você vai colocar apenas algumas tiras de bacon, sem exageros.

Assim, mesmo sendo um item mais caro, não vai pesar tanto no custo final do prato.

As evidências sugerem que vale a pena consumir o bacon proveniente de porcos criados em chiqueiros abertos, com dietas ricas em ácido oleico que apresentam uma melhor relação ômega-3/ômega-6, menos PUFA (ácidos graxos poli-insaturados) e mais gordura monoinsaturada. A melhor qualidade de sua gordura a torna mais resistente ao calor elevado.

A alimentação dos porcos criados em confinamento é rica em soja, ômega-6 e milho.

Um estudo revelou que a criação de porco em chiqueiros abertos, numa dieta grass-fed, melhorou tanto o teor de gordura monoinsaturada como a relação ômega-3/ômega-6.

Quando você compra laticínios

As evidências indicam vantagem a favor dos orgânicos e/ou oriundos de animais criados livres no pasto. São mais ricos em omega-3 e antioxidantes. Eles contêm cerca de 50% mais gorduras omega-3 do que laticínios convencionais. E isso é relevante para os consumidores. Especialmente para crianças e mulheres grávidas que estejam precisando balancear a sua quantidade de cálcio no organismo.

Quando você compra creme de leite ou manteiga (ou ghee)

Manteiga e creme de leite são quase pura gordura do leite e isto acentua as diferenças entre os Grass-fed, de melhor qualidade, e os convencionais.

  • Manteigas convencionais são mais aterogênicas que as grass-fed
  • Ratos alimentados com creme de leite grass-fed tem maior proteção intestinal e melhor perfil metabólico que os alimentados com os cremes convencionais.
  • Ghee rico em CLA (os grass-fed são assim) aumenta a capacidade antioxidante e a resistência a doenças cardíacas além de aumentar o HDL e prevenir hiperinsulinemia em ratos.
  • E os convencionais também são OK? Sim, mas eu preferiria os grass-fed que não são significativamente mais caros

Lembre dos lucros dos fazendeiros

Vários motivos fazem com que os produtos grass-fed sejam mais caros que os convencionais.

Animais grass-fed começam a render aos 22 meses enquanto os criados em cativeiro começam a render aos 14 meses. Isso sem falar no espaço necessário à criação de cada animal que é muito menor no caso da criação em cativeiro.

Se você visitar uma fazenda de criação grass-fed você vai entender que o preço maior de seus produtos não tem motivação na ganância do fazendeiro.

Seus preços são os necessários para mantê-lo vivo no negócio, tirar seu dinheiro e seguir criando os animais da maneira certa. Significa também que o dinheiro de sua compra vai direto para o produtor, sem passar por um montão de intermediários.

Pense no meio ambiente

Na semana passada, eu expliquei o quanto os métodos de rotação fazem melhor ao meio ambiente do que os métodos tradicionais.

Permitem que o gado se alimente em um padrão mais natural, uma recuperação do pasto com mais tempo além de ajudar na recomposição do teor de carbono no solo.

Os produtores de grass-fed estão cada vez mais adotando este método de rotação, portanto comprar carne grass-fed significa que você está apoiando fazendeiros com métodos que preservam o meio ambiente.

Se você quer mais colágeno

Quem é que não quer mais colágeno?

Por enquanto, isso é só uma conjectura na qual eu acredito.

Animais grass-fed movimentam-se muito mais que os criados em confinamento. Eles correm, cavam, lutam, etc. E tudo isso significa que suas articulações recebem muito mais carga do que as dos animais que pouco se movimentam. O organismo dos animais responde à carga reforçando e fortalecendo seus ossos, músculos e articulações que acabam por receber maiores teores de colágeno.

E quando o gado de criação convencional é bom o suficiente?

Quando você compra proteína em pó

Proteína é proteína, é proteína.

Soja não é “whey” mas o “whey” grass-fed e o convencional são idênticos.

O método de alimentação dos animais não altera o conteúdo e a composição dos aminoácidos presentes na proteína.

A criação grass-fed pode afetar positivamente o conteúdo de aminoácidos, antioxidantes e micronutrientes da carne e laticínio, mas não o perfil de aminoácidos.

“Whey” diz respeito a proteína – o perfil de aminoácidos. Se o que você quer é proteína láctea pura e só está preocupado com a nutrição, a fonte não importa.

Quando você compra gelatina em pó

O raciocínio aqui é o mesmo. Gelatina também é proteína.

Não importa a sua origem, o efeito é o mesmo.

Quando você oferece jantar a quem não valoriza as qualidades dos produtos grass-fed

Eu adoro um bom bife de origem Grass-fed. Gosto de sua textura, sabor intenso, complexidade e aquela marmorização amarela característica.

Mas, algumas pessoas acham que é duro.

Então, se você está oferecendo um jantar com muitas pessoas assim, que nunca se alimentaram de bifes grass-fed e não valorizam as suas qualidades, é melhor você servir o bife convencional.

Você só não vai agradar os “Primals” mais radicais.

Quando você compra carne magra

Se você vai comprar carne magra e quer economizar, então, o melhor é comprar a carne convencional. As vantagens da carne de origem grass-fed residem na composição e conteúdo de ácidos graxos (gorduras).

Como dito anteriormente, a proteína permanece a mesma independentemente do tipo de alimentação do gado.

Você vai perder um pouco de nutrientes presentes em níveis mais elevados na carne grass-fed, como zinco, sódio e vitamina B12.

Mas isto se compensa com o fato dessa carne ter menos magnésio e potássio. De qualquer forma, qualquer tipo de carne é uma boa fonte desses nutrientes todos, seja qual for sua origem.

Você não precisa comer carne grass-fed para ser um “Primal” bem-sucedido. Mas, se você come muito alimento de origem animal sua saúde lhe agradecerá se você optar por eles sempre que isso for relevante.

Espero ter contribuído para que vocês façam sempre a melhor escolha.

 

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *